01 – beaglebone black o primeiro contato

beagle_01_foto_na_caixa

Estou trabalhando no desenvolvimento de um sistema para automação baseado em sistema embarcado. Um dos componentes é a plataforma computacional com função de interfaceamento com hardware  como sensores e atuadores, conexão com a rede Internet, e execução de diversos processos. Atualmente existem várias plataformas e o desafio é selecionar a que atenda os requisitos do projeto. Entre as opções estão o popular  Raspberry Pi e os chamados Mini PC´s. No geral essas plataformas tem um processador ARM como coração, memória e periféricos. Depois de algumas análises a placa beaglebone black foi escolhida e adquirida na empresa  Farnell brasileira.   A seguir descrevo o primeiro contato com essa placa.

Ao abrir a caixa existe um folheto de agradecimento e um guia rápido com duas formas de iniciar o uso da placa: o modo ligado ao PC via USB e o modo com teclado, mouse e monitor HDMI.

beagle_01_thank_you

Preferi utilizar o modo “Tethered to PC“. Basta conectar o cabo USB e ligar no PC. São instalados drivers e um dispositivo “mass storage”. Totalmente plug in play!

DSC06778_ligada_no_pc

Seguindo a indicação do folheto basta entrar na pasta do mass storage e abrir o arquivo start.htm.

beagle_01_iniciar

Observe o quadro em verde no inicio da página com a indicação que a placa está conectada e mais algumas informações.

beagle_01_blaca_ligada

Na pagina vá até o passo 2 e instale os drivers adicionais.

beagle_01_baixar_driver

 

Usei o Windows XP 32 bits no PC e após a instalação é mostrada a tela abaixo

beagle_01_instalar_drivers

O passo 3 tem um link com o IP de acesso a placa, basta clicar.

beagle_01_acessar_placa

Na página que abre existe alguns exemplos de código fonte que podem ser executados imediatamente. Os scripts são escritos em Bonescript, a princípio me parece Javascript com as bibliotecas de acesso ao hardware. Executei o exemplo que aciona 4 saídas digitais que tem led´s azuis conectados. É possível modificar o código e executar imediatamente. Mudei o parâmetro de temporização executei e já pude ver o resultado.

DSC06779_primeiro_programa

Verificando o painel de controle no PC vemos que foi criada uma porta de comunicação, e um adaptador de rede.

beagle_01_dispositivos

Conclusão:

A facilidade de uso é um aspecto a destacar, bastou retirar a placa da caixa, seguir a instrução de conectar ao PC e depois da instalação dos drivers, carregar um arquivo HTML e seguir as instruções. A programação para quem conhece um pouco de javascript não apresenta dificuldades.  O sistema já vem com uma distribuição Linux dispensando a necessidade de procedimentos de instalação.  Vou continuar o trabalho na placa explorando o sistema operacional, os ambientes de programação e recursos de hardware.

Algumas referências:

Anúncios
Esse post foi publicado em beagleboard, Linux e marcado , , . Guardar link permanente.

3 respostas para 01 – beaglebone black o primeiro contato

  1. EverPi disse:

    Faz tempo que ouço falar dela e parece bem bacana, principalmente pela quantidade de GPIOs e flash onboard.

  2. Já andei namorando essa placa mas ainda não me decidi a comprar, gostei muito deste post, obrigado, vou acompanhar os posts seguintes.

  3. Pingback: 03 – beaglebone acesso ao Linux por SSH | Dr Bit

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s